Texto Integral: Plano de Ação da Iniciativa do Cinturão e Rota

Redação Jornal Ásia (Tradução Alpha Test)

(Texto para referência, publicado originalmente em Março de 2015)

A seguir, o texto completo de um plano de ação sobre a Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), proposta pela China, emitida pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, Ministério das Relações Exteriores e Ministério do Comércio da República Popular da China, com autorização do Conselho de Estado, em 28 de Março de 2015.

7  MIN LEITURA

Beijing, China (Alpha Test Jornal Ásia)

Prefácio

Mais de dois milênios atrás, o diligente povo da Eurásia explorou e abriu várias rotas de trocas comerciais e culturais que ligavam as principais civilizações da Ásia, Europa e África, chamadas coletivamente de Rota da Seda pelas gerações posteriores.

Por milhares de anos, o Espírito da Rota da Seda“paz e cooperação, abertura e inclusão, aprendizado mútuo e benefício mútuo” – foi passado de geração em geração, promoveu o progresso da civilização humana e contribuiu de forma impactante para a prosperidade e desenvolvimento dos países ao longo da Rota da Seda.

Simbolizando a comunicação e a cooperação entre o Oriente e o Ocidente, o Silk Road Spirit é um patrimônio histórico e cultural compartilhado por todos os países do mundo.

No Século 21, uma nova era marcada pelo tema da paz, desenvolvimento, cooperação e benefício mútuo, é muito importante continuarmos o Espírito da Rota da Seda em face da fraca recuperação da economia global e da complexidade das situações internacionais e regionais.

  • Quando o presidente chinês Xi Jinping visitou a Ásia Central e o Sudeste Asiático em setembro e outubro de 2013, ele levantou a iniciativa de construir conjuntamente o Cinturão Econômico da Rota da Seda e a Rota Marítima da Seda do século XXI (doravante denominada Cinturão e Rota), que atraíram muita atenção de todo o mundo.
  • Na Expo China-ASEAN em 2013, o primeiro-ministro chinês Li Keqiang enfatizou a necessidade de construir a Rota da Seda Marítima voltada para a ASEAN e criar hélices estratégicas para o desenvolvimento do interior.

Cinturão e Rota é um empreendimento que beneficiará pessoas em todo o mundo e acelerar a sua construção pode:

  • Ajudar a promover a prosperidade econômica dos países ao longo do Cinturão e Rota;
  • Ajudar a promover  acooperação econômica regional;
  • A fortalecer o intercâmbio e a aprendizagem mútua entre diferentes civilizações;
  • Promover a paz e o desenvolvimento mundial.

A Iniciativa do Cinturão e Rota é um projeto sistemático, que deve ser construído em conjunto por meio de consultas para atender aos interesses de todos, e devem ser feitos esforços para integrar as estratégias de desenvolvimento dos países ao longo do Cinturão e Rota.

O governo chinês redigiu e publicou a Visão e Ações para a Construção Conjunta do Cinturão Econômico da Rota da Seda e da Rota Marítima do Século XXI para promover a implementação da Iniciativa, inserir vigor e vitalidade na antiga Rota da Seda, conectar países asiáticos, europeus e africanos e promover uma cooperação mutuamente benéfica em um novo patamar e com novos formatos.

I.
Background

Mudanças complexas e profundas estão ocorrendo no mundo.

  • O impacto decorrente da crise financeira internacional continua emergindo;
  • A economia mundial está se recuperando lentamente e o desenvolvimento global é desigual;
  • O cenário internacional de comércio e investimento e suas regras  multilaterais estão passando por grandes ajustes;
  • Os países ainda enfrentam grandes desafios ao seu desenvolvimento.

A iniciativa de construir conjuntamente o Cinturão e Rota, abraçando as tendências para:

  • Um mundo multipolar;
  • Globalização econômica;
  • Diversidade cultural;
  • Maior aplicação de TI,

Foi projetada para apoiar o regime global de livre comércio e a economia mundial aberta, no espírito de cooperação regional aberta.

Os objetivos do Cinturão e Rota são:

  • Promover um fluxo ordenado e livre de fatores econômicos, alocação mais eficiente de recursos e maior integração de mercados;
  • Incentivar os países ao longo do Cinturão e Rota a alcançar a coordenação de políticas econômicas e a realizar uma cooperação regional mais ampla e aprofundada, com padrões elevados;
  • e criar conjuntamente uma arquitetura de cooperação econômica regional aberta, inclusiva e equilibrada que beneficie a todos.

A construção conjunta do Cinturão e Rota é do interesse da comunidade mundial. Refletindo os ideais comuns buscados pelas sociedades humanas, é um esforço positivo para buscar novos modelos de cooperação internacional para a governança global e para injetar novas energias positivas na paz e no desenvolvimento do planeta.

A Iniciativa do Cinturão e Rota visa promover a conectividade dos continentes asiáticos, europeus e africanos e seus mares adjacentes, estabelecer e fortalecer parcerias entre os países ao longo do Cinturão e Rota, para estabelecer redes de conectividade multidimensionais, de vários níveis e de composiçoes diversas, para o desenvolvimento independente, equilibrado e sustentável desses países.

Os Projetos de Conectividade da Iniciativa ajudarão a

  • Alinhar e coordenar as estratégias de desenvolvimento dos países ao longo do Cinturão e Rota;
  • Expandir o potencial do mercado nessa região;
  • Promover o investimento e o consumo;
  • Criar demandas e oportunidades de emprego;
  • Aprimorar as trocas culturais de pessoas a pessoas;
  • Ampliar o aprendizado mútuo entre os povos dos países, permitindo que eles entendam, confiem e respeitem uns aos outros e vivam em harmonia, paz e prosperidade.

A economia da China está intimamente ligada à economia mundial. A China permanecerá comprometida com a política básica de abertura, construindo um novo padrão de abertura geral para se integrar mais profundamente ao sistema econômico mundial.

A Iniciativa permitirá à China expandir e aprofundar ainda mais esse processo de abertura e fortalecer sua cooperação mutuamente benéfica com países da Ásia, Europa e África e o resto do mundo.

A China está comprometida em assumir mais responsabilidades e obrigações dentro de suas capacidades e oferecer maiores contribuições para a paz e o desenvolvimento da humanidade.

II.
Princípios

A Iniciativa do Cinturão e Rota está alinhada com os propósitos e princípios da Carta da ONU. Ele mantém os Cinco Princípios da Coexistência Pacífica:

  • Respeito mútuo pela soberania e integridade territorial um do outro;
  • Não-agressão mútua;
  • Não interferência mútua nos assuntos internos um do outro;
  • Igualdade e benefício mútuo e
  • Coexistência pacífica.

A iniciativa está aberta à cooperação. Abrange, mas não está limitado à área da antiga Rota da Seda. Está aberto a todos os países e organizações internacionais e regionais para participação, para que os resultados dos esforços conjuntos beneficiem áreas mais amplas.

A iniciativa é harmoniosa e inclusiva. Defende a tolerância entre as civilizações, respeita os caminhos e modos de desenvolvimento escolhidos pelos diferentes países e apóia os diálogos entre as diferentes civilizações sobre os princípios de busca de um terreno comum, mantendo as diferenças e aproveitando os pontos fortes uns dos outros, para que todos os países possam coexistir em paz e pela prosperidade comum.

A iniciativa segue o funcionamento de mercado. Cumpre as regras do mercado e as normas internacionais, dando um papel decisivo ao mercado na alocação de recursos e o papel principal às empresas, permitindo que os governos cumpram funções específicas.

A iniciativa busca benefício mútuo. Ele acomoda os interesses e preocupações de todas as partes envolvidas e busca uma conjunção de interesses e o “maior denominador comum” da cooperação, com o objetivo de potencializar o pleno desempenho da sabedoria, criatividade e forças de todas as partes.

III.
Framework

A Iniciativa do Cinturão e Rota é um caminho para a cooperação ganha-ganha (win-win), para promover o desenvolvimento e a prosperidade comuns e um caminho para a paz e a amizade, aprimorando a compreensão e a confiança mútuas e fortalecendo as trocas gerais.

O governo chinês defende paz e cooperação, abertura e inclusão, aprendizado mútuo e benefício mútuo. Promove a cooperação prática em todos os campos e trabalha para construir uma comunidade de interesses, destinos e responsabilidades compartilhados, com confiança política mútua, integração econômica e inclusão cultural.

A Iniciativa percorre os continentes da Ásia, Europa e África, conectando as duas extremidades, da vibrante economia do Leste Asiático e da zona econômica da Europa com as economias dos países em desenvolvimento econômico ao longo dos percursos do Cinturão e Rota.

O Cinturão Econômico da Rota da Seda concentra-se em reunir:

  • China, Ásia Central, Rússia e Europa (Báltico);
  • Ligando a China ao Golfo Pérsico e ao Mar Mediterrâneo pela Ásia Central e Oeste da Ásia;
  • Conectando a China ao Sudeste Asiático, Sul da Ásia e Oceano Índico.

A Rota Marítima da Seda do século XXI foi projetada para ir:

  • Da costa da China para a Europa através do Mar da China Meridional do Oceano Índico em uma rota e
  • Da costa da China através do Mar da China Meridional para o Pacífico Sul na outra.

Em terra, a Iniciativa se concentrará na construção conjunta de:

  • Uma nova Ponte Terrestre da Eurásia;e no desenvolvimento de corredores econômicos China-Mongólia-Rússia, China-Ásia Central-Oeste da Ásia e Península China-Indochina, aproveitando as rotas de transporte internacionais, contando com as principais cidades o Cinturão e Rota e usando os principais parques econômicos da indústria como plataformas de cooperação.

No mar, a Iniciativa se concentrará:

  • Na construção conjunta de rotas de transporte marítimos suaves, seguras e eficientes, conectando os principais portos marítimos ao longo do Cinturão e Rota.

O Corredor Econômico China-Paquistão e o Corredor Econômico Bangladesh-China-Índia-Mianmar estão intimamente relacionados à Iniciativa do Cinturão e Rota e, portanto, exigem cooperação mais estreita e  progresso contínuo.

A Iniciativa é uma visão econômica desafiadora da abertura e cooperação entre os países ao longo do Cinturão e Rota. Os países devem trabalhar em conjunto e avançar em direção aos objetivos de benefício mútuo e segurança comum.

Os países em desenvolvimento da região precisam melhorar a infraestrutura e criar uma rede segura e eficiente de passagens terrestres, marítimas e aéreas, elevando sua conectividade a um nível superior; aprimorando ainda mais a facilitação do comércio e do investimento, estabelecendo uma rede de áreas de livre comércio que atendam a altos padrões, mantendo laços econômicos mais estreitos e aprofundando:

  • A confiança política;
  • Aprimorando intercâmbios culturais;
  • Incentivando diferentes civilizações a aprender umas com as outras para florescerem juntas;
  • Promovendo a compreensão mútua, paz e amizade entre pessoas de todos os países.
IV.
Prioridades de Cooperação

Os países ao longo do Cinturão e Rota têm suas próprias vantagens em recursos e suas economias são mutuamente complementares.

Portanto, existe um grande potencial e espaço para cooperação nas seguintes áreas-chave:

  1. Coordenação de Políticas
  2. Conectividade das Instalações
  3. Comércio Desimpedido
  4. Integração Financeira
  5. Vínculos Pessoa a Pessoa
1. Coordenação de Políticas

O aprimoramento da coordenação de políticas é uma garantia importante para a implementação da Iniciativa. Deveríamos promover a cooperação intergovernamental:

  • Criar um mecanismo de comunicação e intercâmbio de macro política intergovernamental multinível;
  • Expandir interesses compartilhados;
  • Aumentar a confiança política mútua;
  • Alcançar um novo consenso de cooperação.

Os países ao longo do Cinturão e Rota podem:

  • coordenar totalmente suas estratégias e políticas de desenvolvimento econômico;
  • elaborar planos e medidas para a cooperação regional;
  • negociar para resolver questões relacionadas à cooperação;
  • fornecer conjuntamente apoio político para a implementação de cooperação prática e projetos de grande escala.
2. Conectividade das Instalações

A conectividade das instalações é uma área prioritária para a implementação da Iniciativa.

Com base no respeito mútuo às preocupações de soberania e segurança, os países ao longo do Cinturão e Rota podem:

  • Melhorar a conectividade de seus planos de construção de infra-estrutura e sistemas de normas técnicas,
  • Avançar em conjunto a construção de passagens internacionais de troncos;
  • Formar uma rede de infraestrutura conectando todas as sub-regiões na Ásia e entre Ásia, Europa e África, passo a passo.

Ao mesmo tempo, esforços devem ser feitos para:

  • Promover a construção de infraestrutura verde e de baixo carbono;
  • Promover o gerenciamento de operações levando em consideração o impacto das mudanças climáticas na construção.

No que diz respeito à construção da infraestrutura de transporte, devemos nos concentrar:

  • Nas principais passagens, cruzamentos e projetos afins;
  • Dar prioridade à ligação de seções de estradas não conectadas;
  • Remoção de gargalos de transporte;
  • Avanço das instalações de segurança viária;
  • Instalações e equipamentos de gerenciamento de tráfego;
  • Melhoria da conectividade da rede rodoviária.

Deveríamos criar um mecanismo de coordenação unificado para o transporte em todo o percurso:

  • Aumentar a conectividade do desembaraço aduaneiro;
  • Recarregar e transportar multimodais entre países;
  • Formular gradualmente regras compatíveis e padrão de transporte para facilitação do transporte internacional.

Devemos avançar na construção de infraestrutura portuária:

  • Criar canais suaves de transporte terrestre e de água;
  • Promover a cooperação portuária;
  • Aumentar as rotas marítimas e o número de viagens;
  • Aprimorar a cooperação em tecnologia da informação na logística marítima.

Deveríamos expandir e construir plataformas e mecanismos para uma cooperação abrangente da aviação civil e acelerar nosso ritmo na melhoria da infraestrutura da aviação.

Devemos promover a cooperação na conectividade da infra-estrutura energética:

  • Trabalhar em conjunto para garantir a segurança dos oleodutos e gasodutos e outras rotas de transporte;
  • Construir redes de suprimento de energia e rotas de transmissão de energia;
  • Cooperar na modernização e transformação da rede de energia regional .

Deveríamos avançar em conjunto:

  • Na construção de cabos ópticos transfronteiriços e outras redes de linhas de tronco de comunicações;
  • Melhorar a conectividade de comunicações internacionais e criar uma Rota da Seda da Informação;
  • Devemos construir redes bilaterais de cabos ópticos transfronteiriços em um ritmo mais rápido;
  • Planejar projetos de cabos ópticos submarinos transcontinentais;
  • melhorar as passagens de informações espaciais (por satélite) para expandir o intercâmbio e a cooperação de informações.
3. Comércio Desimpedido

A cooperação comercial e de investimento é uma tarefa importante na construção do Cinturão e Rota. Devemos nos esforçar para melhorar o investimento e a facilitação do comércio, removendo as barreiras ao investimento e ao comércio, para a criação de um ambiente comercial sólido na região e em todos os países relacionados.

Discutiremos com países e regiões ao longo do Cinturão e Rota sobre a abertura de áreas de livre comércio, a fim de liberar o potencial de cooperação ampliada.

Os países ao longo do Cinturão e Rota deveriam:

  • Aprimorar a cooperação aduaneira, como troca de informações, reconhecimento mútuo de regulamentações e assistência mútua na aplicação da lei;
  • Melhorar a cooperação bilateral e multilateral nos campos de inspeção e quarentena, certificação e acreditação, medição padrão e informações estatísticas;
  • Trabalhar para garantir que o Acordo de Facilitação do Comércio da OMC entre em vigor e seja implementado.
  • Melhorar as instalações de desembaraço aduaneiro dos portos de fronteira, estabelecendo uma “janela única” para reduzir os custos e a capacidade aduaneira.

Deveríamos aumentar a cooperação na segurança e conveniência da cadeia de suprimentos, melhorar a coordenação dos procedimentos de supervisão transfronteiriça, promover a verificação on-line dos certificados de inspeção e quarentena e facilitar o reconhecimento mútuo dos operadores econômicos autorizados.

Devemos reduzir barreiras não tarifárias, melhorar conjuntamente a transparência das medidas técnicas de comércio e aumentar a liberalização e facilitação do comércio.

Devemos expandir as áreas comerciais, melhorar a estrutura comercial, explorar novas áreas comerciais em crescimento e promover a balança comercial.

  • Deveríamos inovar em nossas formas de comércio e desenvolver o comércio eletrônico transfronteiriço e outros modelos de negócios modernos.
  • Um sistema de apoio ao comércio de serviços deve ser estabelecido para consolidar e expandir o comércio convencional.

Deveríamos integrar investimento e comércio:

  • Acelerar a facilitação do investimento;
  • Eliminar barreiras ao investimento;
  • Avançar com negociações sobre acordos bilaterais de proteção ao investimento;
  • Acordos para evitar dupla tributação para proteger os direitos e interesses legais dos investidores.

Deveríamos expandir áreas de investimento mútuo:

  • Aprofundar a cooperação na agricultura, silvicultura, pecuária e pesca;
  • Fabricação de máquinas agrícolas e processamento de produtos agrícolas;
  • Promover a cooperação na produção de produtos marinhos, pesca em alto mar, processamento de produtos aquáticos, dessalinização da água do mar, biofarmacologia marinha , tecnologia de engenharia oceânica, indústrias de proteção ambiental, turismo marítimo e outros campos.

Deveríamos aumentar a cooperação:

  • Na exploração e desenvolvimento de carvão, petróleo, gás, minerais metálicos e outras fontes de energia convencionais;
  • Promover a cooperação em energia hidrelétrica, energia nuclear, energia eólica, energia solar e outras fontes de energia limpas e renováveis;
  • Promover a cooperação no processamento e conversão de energia e recursos nos locais onde são explorados ou próximos a eles, de modo a criar uma cadeia industrial integrada de cooperação em energia e recursos.
  • Melhorar a cooperação em tecnologia de processamento profundo, equipamentos e serviços de engenharia nos campos de energia e recursos.

Devemos promover a cooperação nas indústrias emergentes. De acordo com os princípios de complementaridade e benefício mútuos, devemos promover uma cooperação aprofundada com outros países ao longo do Cinturão e Rota em:

  • Tecnologia da Informação de nova geração;
  • Biotecnologia;
  • Nova tecnologia energética;
  • Novos materiais;
  • Outras indústrias emergentes;
  • Estabelecer empreendimentos empresariais e mecanismos de cooperação para investimentos.

Deveríamos melhorar a divisão do trabalho e a distribuição das cadeias industriais:

  • Incentivando toda a cadeia industrial e indústrias relacionadas a se desenvolverem em conjunto;
  • Estabelecer P&D, sistemas de produção e marketing;
  • Melhorar a capacidade de apoio industrial e a competitividade geral das indústrias regionais.

Deveríamos aumentar a abertura de nossa indústria de serviços uns aos outros para acelerar o desenvolvimento das indústrias de serviços regionais.

Deveríamos explorar um novo modo de cooperação para investimentos, trabalhando juntos para construir todas as formas de parques industriais, como zonas de cooperação econômica e comercial no exterior e zonas de cooperação econômica além-fronteiras, e promover o desenvolvimento de aglomerados industriais.

Deveríamos promover o progresso ecológico na condução de investimentos e comércio, aumentar a cooperação na conservação do meio ambiente, proteger a biodiversidade e combater as mudanças climáticas, e dar as mãos para tornar a Rota da Seda favorável ao meio ambiente.

Convidamos empresas de todos os países a investir na China e incentivamos as empresas chinesas a participarem da construção de infraestrutura em outros países ao longo do Cinturão e Rota, realizando investimentos industriais.

Apoiamos a operação e o gerenciamento localizados de empresas chinesas para impulsionar a economia local, aumentar o emprego local, melhorar os meios de subsistência locais e assumir responsabilidades sociais na proteção da biodiversidade local e do meio ambiente ambiental.

4. Integração Financeira

A integração financeira é uma base importante para a implementação da Iniciativa do Cinturão e Rota.

Deveríamos aprofundar a cooperação financeira e fazer mais esforços na construção de:

  • sistema de estabilidade cambial;
  • sistema de investimento e financiamento;
  • sistema de informações de crédito na Ásia.

Deveríamos expandir:

  • O escopo e a escala da troca e liquidação de moedas bilaterais com outros países ao longo do Cinturão e Rota;
  • Abrir e desenvolver o mercado de títulos na Ásia;
  • Fazer esforços conjuntos para estabelecer o Banco Asiático de Investimento em Infra-estrutura e o Banco de Desenvolvimento Novo BRICS;
  • Conduzir negociações entre partes relacionadas ao estabelecimento da instituição de financiamento da Organização de Cooperação de Xangai (SCO);
  • Criação e operação do Fundo da Rota da Seda, o mais cedo possível.

Deveríamos fortalecer a cooperação prática da Associação Interbancária China-ASEAN e da Associação Interbancária da SCO e realizar cooperação financeira multilateral na forma de empréstimos sindicalizados e crédito bancário.

Apoiaremos os esforços dos governos dos países ao longo do Cinturão e Rota e de suas empresas e instituições financeiras com boa classificação de crédito para Emitir Títulos Renminbi na China.

Instituições e empresas financeiras chinesas qualificadas são incentivadas a emitir títulos em moeda estrangeira fora da China e usar os fundos assim arrecadados nos países ao longo do Cinturão e Rota.

Deveríamos fortalecer:

  • A cooperação em regulamentação financeira;
  • Incentivar a assinatura de memorandos de entendimento sobre cooperação em regulamentação financeira bilateral;
  • Estabelecer um mecanismo eficiente de coordenação de regulamentação na região.

Deveríamos melhorar o sistema de resposta a riscos e gerenciamento de crises, criar um sistema regional de aviso prévio a riscos financeiros e criar um mecanismo de intercâmbio e cooperação para lidar com riscos e crises transfronteiriços.

Deveríamos aumentar o intercâmbio e a cooperação transfronteiriça entre reguladores de investigação de crédito, instituições de investigação de crédito e instituições de classificação de crédito.

Deveríamos dedicar todo o papel ao Fundo da Rota da Seda e aos fundos soberanos dos países ao longo do Cinturão e Rota, e incentivar os fundos de investimento em ações comerciais e os fundos privados a participarem na construção dos principais projetos da Iniciativa.

5. Laço Entre Pessoas

O vínculo entre pessoas fornece o apoio público para a implementação da Iniciativa.

Devemos levar adiante o espírito de cooperação amistosa da Rota da Seda, promovendo:

  • Extensos intercâmbios culturais e acadêmicos;
  • Intercâmbio de pessoal e cooperação
  • Cooperação com a mídia;
  • Intercâmbio de jovens e mulheres;
  • Serviços voluntários, de modo a obter apoio público para o aprofundamento da cooperação bilateral e multilateral.

Deveríamos enviar mais estudantes para os países uns dos outros e promover a cooperação nas escolas em conjunto.

A China fornece 10.000 bolsas de estudo do governo para os países ao longo do Cinturão e Rota todos os anos.

Deveríamos realizar:

  • Anos de cultura;
  • Festivais de artes;
  • Festivais de cinema;
  • Semanas de TV;
  • Feiras de livros nos países um do outro;
  • Cooperar na produção e tradução de filmes importantes, programas de rádio e TV;
  • Em conjunto, solicitar e proteger os locais de Patrimônio Cultural da Humanidade.

Deveríamos também aumentar o intercâmbio de pessoal e a cooperação entre países ao longo do Cinturão e Rota:

  • Melhorar a cooperação e expandir a escala do turismo;
  • Realizar semanas de promoção do turismo e meses de publicidade nos países uns dos outros;
  • Criar conjuntamente rotas e produtos turísticos internacionais competitivos com os recursos do Silk Road;
  • Tornar mais conveniente solicitar visto de turista em países ao longo do Cinturão e Rota.
  • Promover a cooperação no programa de turismo de cruzeiros Maritime Silk Road do século XXI.
  • Realizar intercâmbios esportivos e apoiar os países ao longo do Cinturão e Rota em sua tentativa de sediar grandes eventos esportivos internacionais.

Deveríamos fortalecer a cooperação com os países vizinhos no compartilhamento de informações sobre epidemias, no intercâmbio de tecnologias de prevenção e tratamento e no treinamento de profissionais médicos, e melhorar nossa capacidade de lidar conjuntamente com emergências de saúde pública.

  • Fornecer assistência médica e assistência médica de emergência aos países relacionados;
  • Realizar cooperação prática em saúde materna e infantil;
  • Reabilitação de incapacidades e principais doenças infecciosas, incluindo AIDS, tuberculose e malária;
  • Expandir a cooperação na medicina tradicional local.

Deveríamos aumentar nossa cooperação em ciência e tecnologia:

  • Estabelecer laboratórios conjuntos (ou centros de pesquisa),;
  • Centros internacionais de transferência de tecnologia;
  • Centros de cooperação marítima;
  • Promoçao de intercâmbios de pessoal de ciência e tecnologia;
  • Cooperar no enfrentamento dos principais problemas de ciência;
  • Trabalhar juntos para melhorar a ciência e a capacidade de inovação tecnológica.

Deveríamos integrar os recursos existentes para expandir e promover a cooperação prática entre os países ao longo do Cinturão e Rota:

  • No emprego de jovens;
  • Treinamento de empreendedorismo;
  • Desenvolvimento de habilidades vocacionais;
  • Administração de seguridade social;
  • Administração e Gestão Pública;
  • Outras áreas de interesse comum.

Deveríamos desempenhar plenamente o papel de ponte da comunicação entre partidos e parlamentos, promover trocas amigáveis ​​entre órgãos legislativos, partidos e organizações políticas de países ao longo do Cinturão e Rota.

Deveríamos realizar:

  • Intercâmbios e cooperação entre cidades;
  • Incentivar as principais cidades desses países a se tornarem cidades irmãs;
  • Focar na promoção da cooperação prática, particularmente intercâmbios culturais e de pessoa para pessoa, e criar exemplos positivos de cooperação.

Convidamos os grupos e elaboradores nos países ao longo do Cinturão e Rota para conduzir conjuntamente pesquisas e realizar fóruns, e deveríamos:

  • Aumentar o intercâmbio e a cooperação entre organizações não-governamentais de países ao longo do Cinturão e Rota;
  • Organizar atividades de interesse público relacionadas à educação, saúde, redução da pobreza, biodiversidade e proteção ecológica em benefício do público em geral;
  • Melhorar a produção e as condições de vida em áreas atingidas pela pobreza ao longo do Cinturão e Rota.

Deveríamos:

  • Aprimorar as trocas internacionais e a cooperação em cultura e mídia;
  • Alavancar o papel positivo da Internet e de novas ferramentas de mídia para promover um ambiente cultural harmonioso com a opinião pública.
V.
Mecanismos de Cooperação

A integração econômica mundial está se acelerando e a cooperação regional está em ascensão.

A China aproveitará ao máximo os mecanismos bilaterais e multilaterais de cooperação existentes para avançar na construção do Cinturão e Rota e promover o desenvolvimento da cooperação regional.

Deveríamos fortalecer a cooperação bilateral e promover o desenvolvimento abrangente das relações bilaterais por meio de comunicação e consulta multinível e multicanal.

Devemos incentivar a assinatura de memorandos de entendimento ou planos de cooperação e desenvolver vários projetos-piloto de cooperação bilateral.

Deveríamos estabelecer e melhorar mecanismos de trabalho conjuntos bilaterais e elaborar planos de implementação e roteiros para o avanço da Iniciativa do Cinturão e Rota.

Além disso, devemos dedicar toda a atenção aos mecanismos bilaterais existentes, como comitê misto, comitê de coordenação, comitê diretor e comitê de gestão para coordenar e promover a implementação de projetos de cooperação.

Deveríamos melhorar o papel dos mecanismos de cooperação multilateral, fazer pleno uso dos mecanismos existentes, para fortalecer a comunicação com os países relevantes e atrair mais países e regiões para participar da Iniciativa do Cinturão e Rota:

  • Organização de Cooperação de Xangai (SCO);
  • ASEAN Plus China (10 + 1);
  • Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC);
  • Reunião Ásia-Europa (ASEM);
  • Diálogo de Cooperação na Ásia (ACD);
  • Conferência sobre Medidas de Interação e Construção de Confiança na Ásia (CICA);
  • Fórum de Cooperação China-Estados Árabes (CASCF);
  • Diálogo Estratégico do Conselho de Cooperação China-Golfo;
  • Cooperação Econômica na Grande Sub-região do Grande Mekong (GMS);
  • Cooperação Econômica Regional da Ásia Central (CAREC)

Deveríamos continuar incentivando o papel construtivo dos fóruns e exposições internacionais nos níveis regional e sub-regional hospedados por países ao longo do Cinturão e Rota, bem como plataformas como:

  • Fórum Boao para a Ásia;
  • China-ASEAN Expo;
  • China-Eurasia Expo;
  • Euro-Fórum Econômico da Ásia;
  • Feira Internacional de Investimento e Comércio da China;
  • Expo China-Sul da Ásia;
  • Expo China-Estados Árabes;
  • Feira Internacional Western China
  • Expo China-Rússia;
  • Fórum de Cooperação Qianhai.

Deveríamos apoiar as autoridades locais e o público em geral dos países ao longo do Cinturão e Rota para explorar o patrimônio histórico e cultural do Cinturão e Rota, realizar conjuntamente atividades de investimento, comércio e intercâmbio cultural e garantir o sucesso:

  • Da Rota da Seda (Dunhuang) Expo Internacional da Cultura;
  • Festival Internacional de Cinema de Silk Road;
  • Feira Internacional do Livro de Silk Road.

Propomos a criação de um fórum de cúpula internacional sobre a Iniciativa do Cinturão e Rota.

VI
Regiões da China em Busca da Abertura

Ao avançar a Iniciativa do Cinturão e Rota, a China aproveitará totalmente as vantagens comparativas de suas várias regiões, adotará uma estratégia proativa de maior abertura, fortalecerá a interação e a cooperação entre as regiões leste, oeste e central e melhorará de maneira abrangente a abertura da economia chinesa.

Regiões do Noroeste e Nordeste

Deveríamos fazer bom uso das vantagens geográficas de Xinjiang e seu papel como uma janela de abertura para o oeste para aprofundar a comunicação e a cooperação com os países da Ásia Central, do Sul e Ocidental, tornando-o um importante centro de transporte, comércio, logística, cultura, ciência e educação e uma área central no cinturão econômico da Rota da Seda.

Deveríamos dar amplo escopo às forças econômicas e culturais das províncias de Shaanxi e Gansu e às vantagens étnicas e culturais da região autônoma de Ningxia Hui e da província de Qinghai, transformar Xi’an em um novo foco de reforma e abertura no interior da China, acelerar o desenvolvimento e a abertura de cidades como Lanzhou e Xining e avançar na construção da Zona Econômica Piloto de Abertura Interior de Ningxia, com o objetivo de criar canais estratégicos, centros de comércio e logística e bases-chave para intercâmbios industriais e culturais abertura para os países da Ásia Central, do Sul e Ocidental.

Deveríamos utilizar a proximidade da Mongólia Interior à Mongólia e à Rússia, melhorar as ligações ferroviárias que conectam a província de Heilongjiang à Rússia e à rede ferroviária regional, fortalecer a cooperação entre as províncias de Heilongjiang, Jilin e Liaoning, na China, e a região do Extremo Oriente da Rússia no transporte multimodal terrestre e marítimo e promover a construção de um corredor de transporte de alta velocidade da Eurásia que liga Pequim e Moscou com o objetivo de construir janelas importantes que se abrem para o norte.

Região Sudoeste

Devemos aproveitar ao máximo a vantagem única da região autônoma de Guangxi Zhuang como um vizinho dos países da ASEAN, acelerar a abertura e o desenvolvimento da Zona Econômica do Golfo de Beibu e da Zona Econômica do Rio das Pérolas-Xijiang, construir um corredor internacional para na região da ASEAN, criar novas âncoras estratégicas para a abertura e o desenvolvimento das regiões sudoeste e centro-sul da China e formar um importante portal de conexão entre o cinturão econômico da Rota da Seda e a Rota Marítima da Seda do século XXI.

Deveríamos fazer bom uso da vantagem geográfica da província de Yunnan, avançar na construção de um corredor de transporte internacional que conecta a China aos países vizinhos, desenvolver um novo destaque da cooperação econômica na sub-região do Grande Mekong e tornar a região um pivô da abertura da China até o sul e sudeste da Ásia. Deveríamos promover o comércio fronteiriço e a cooperação turística e cultural entre a região autônoma do Tibete e países vizinhos como o Nepal.

Regiões costeiras de Hong Kong, Macau e Taiwan

Devemos alavancar os pontos fortes do Delta do Rio Yangtze, Delta do Rio das Pérolas, costa oeste do Estreito de Taiwan, Orla Bohai e outras áreas com zonas econômicas que ostentam um alto nível de abertura, pontos fortes econômicos robustos e um forte papel catalítico, acelerando o desenvolvimento da Zona Piloto de Livre Comércio da China (Xangai), e apoia a província de Fujian para se tornar uma área central da Rota Marítima da Seda do século XXI.

Deveríamos dar amplo escopo ao papel de Qianhai (Shenzhen), Nansha (Guangzhou), Hengqin (Zhuhai) e Pingtan (Fujian) na abertura e cooperação, aprofundar sua cooperação com Hong Kong, Macau e Taiwan e ajudar a construir Área da Grande Baía de Guangdong, Hong Kong e Macau.

Deveríamos promover o desenvolvimento da Zona de Demonstração do Desenvolvimento da Economia Marinha de Zhejiang, da Zona Piloto Econômica Marítima de Fujian e da Nova Área do Arquipélago de Zhoushan, e abrir ainda mais a província de Hainan como uma ilha internacional de turismo.

Devemos fortalecer a construção portuária de cidades costeiras, como Xangai, Tianjin, Ningbo-Zhoushan, Guangzhou, Shenzhen, Zhanjiang, Shantou, Qingdao, Yantai, Dalian, Fuzhou, Xiamen, Quanzhou, Haikou e Sanya, e fortalecer as funções do hub internacional aeroportos como Xangai e Guangzhou.

Deveríamos usar a abertura para motivar essas áreas a realizar reformas mais profundas, criar novos sistemas e mecanismos de economia aberta, intensificar a inovação científica e tecnológica, desenvolver novas vantagens para participar e liderar a cooperação e a concorrência internacional e tornar-se o pioneiro e principal força da Iniciativa do Cinturão e Rota, particularmente a construção da Rota Marítima da Seda do século XXI.

Deveríamos alavancar o papel único das regiões administrativas chinesas e de Hong Kong e Macau no exterior e incentivá-las a participar e contribuir para a Iniciativa do Cinturão e Rota. Também devemos tomar as providências adequadas para que a região de Taiwan faça parte desse esforço.

Regiões do Interior

Deveríamos fazer uso das vantagens das regiões do interior, incluindo uma vasta massa de terra, ricos recursos humanos e uma forte base industrial, focados em regiões-chave como os aglomerados de cidades ao longo do meio do rio Yangtze, ao redor de Chengdu e Chongqing, na região central Província de Henan, em torno de Hohhot, Baotou, Erdos e Yulin, e em torno de Harbin e Changchun para impulsionar a interação e cooperação regional e concentração industrial.

Deveríamos transformar Chongqing em um importante pivô para o desenvolvimento e a abertura da região oeste, e tornar Chengdu, Zhengzhou, Wuhan, Changsha, Nanchang e Hefei as principais áreas de abertura nas regiões do interior.

Deveríamos acelerar a cooperação entre as regiões das regiões alta e média do rio Yangtze e suas contrapartes ao longo do rio Volga, na Rússia. Devemos estabelecer mecanismos de coordenação em termos de transporte ferroviário e desembaraço aduaneiro portuário para o corredor China-Europa, cultivar a marca de “trens de carga China-Europa” e construir um corredor de transporte transfronteiriço que conecte as regiões leste, central e oeste.

Deveríamos apoiar cidades do interior como Zhengzhou e Xi’an na construção de aeroportos e portos terrestres internacionais, fortalecer a cooperação de desembaraço aduaneiro entre portos e portos interiores nas regiões costeiras e fronteiriças e lançar serviços-piloto de comércio eletrônico para o comércio transfronteiriço. Deveríamos otimizar o layout de áreas especiais de supervisão aduaneira, desenvolver novos modelos de processamento comercial e aprofundar a cooperação industrial com os países ao longo do Cinturão e Rota.

VII
China em Ação

Por mais de um ano, o governo chinês promove ativamente a construção do Cinturão e Rota, melhorando a comunicação e a consulta e avançando a cooperação prática com os países ao longo do Cinturão e Rota, introduzindo uma série de políticas e medidas para obter resultados imediatos.

Orientação e facilitação de alto nível

O presidente Xi Jinping e o primeiro-ministro Li Keqiang visitaram mais de 20 países, participaram do Diálogo Sobre Fortalecimento da Parceria Pela Conectividade e da Sexta Conferência Ministerial do Fórum de Cooperação China-Estados Árabes e se reuniram com líderes de países relevantes para discutir relações bilaterais e questões de desenvolvimento regional. Eles aproveitaram essas oportunidades para explicar o conteúdo rico e as implicações positivas da Iniciativa do Cinturão e Rota e seus esforços ajudaram a gerar um amplo consenso sobre a Iniciativa do Cinturão e Rota.

Assinatura de estrutura de cooperação

A China assinou memorandos de entendimento de cooperação no desenvolvimento conjunto do Cinturão e Rota com alguns países, cooperação regional e cooperação fronteiriça e planos de desenvolvimento de médio e longo prazo para cooperação econômica e comercial com alguns países vizinhos. Propôs linhas gerais de planos de cooperação regional com alguns países adjacentes.

Promoção da cooperação do projeto

A China aprimorou a comunicação e a consulta com os países ao longo do Cinturão e Rota e promoveu vários projetos-chave de cooperação nas áreas de conectividade de infraestrutura, investimento industrial, desenvolvimento de recursos, cooperação econômica e comercial, cooperação financeira, intercâmbio cultural, proteção ecológica e transporte marítimo. cooperação onde as condições forem adequadas.

Melhorando políticas e medidas

O governo chinês integrará seus recursos domésticos para fornecer um apoio político mais forte à Iniciativa. Facilitará a criação do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura. A China propôs o Fundo da Rota da Seda e a função de investimento do Fundo de Cooperação Econômica China-Eurásia será reforçada. Incentivaremos as instituições compensadoras de cartões bancários a realizar operações de compensação transfronteiriças e as instituições de pagamento a realizar negócios de pagamento transfronteiriços. Promoveremos ativamente o investimento e a facilitação do comércio e aceleraremos a reforma do desembaraço aduaneiro regional integrado.

Aumentar o papel das plataformas de cooperação

Foram realizadas várias cúpulas, fóruns, seminários e exposições internacionais sobre o tema da Iniciativa do Cinturão e Rota, que desempenharam um papel importante no aumento da compreensão mútua, no consenso e no aprofundamento da cooperação.

VIII
Abraçando Juntos Um Futuro Melhor

Embora proposta pela China, a Iniciativa do Cinturão e Rota é uma aspiração comum de todos os países ao longo de suas rotas.

A China está pronta para realizar consultas em pé de igualdade com todos os países ao longo do Cinturão e Rota para aproveitar a oportunidade oferecida pela Iniciativa, promover abertura, comunicação e integração entre países em um escopo mais amplo, com padrões mais altos e em níveis mais profundos, levando ao mesmo tempo em consideração os interesses e aspirações de todas as partes.

O desenvolvimento do Cinturão e Rota é aberto e inclusivo, e agradecemos a participação ativa de todos os países e organizações internacionais e regionais nesta Iniciativa.

O desenvolvimento do Cinturão e Rota deve ser conduzido principalmente através da comunicação de políticas e coordenação de objetivos. É um processo de cooperação pluralista e aberto, que pode ser altamente flexível e não busca conformidade.

A China se unirá a outros países ao longo do Cinturão e Rota para substanciar e melhorar o conteúdo e o modo da cooperação no Cinturão e Rota, elaborar calendários e mapas de estradas relevantes e alinhar os programas nacionais de desenvolvimento e os planos de cooperação regional.

A China trabalhará com os países ao longo do Cinturão e Rota para realizar pesquisas, fóruns e feiras conjuntos, treinamento de pessoal, intercâmbios e visitas no âmbito dos mecanismos bilaterais, multilaterais, regionais e sub-regionais de cooperação existentes, para que eles obtenham uma melhor compreensão e reconhecimento do conteúdo, objetivos e tarefas da Iniciativa do Cinturão e Rota.

A China trabalhará com países ao longo do Cinturão e Rota para avançar constantemente em projetos de demonstração, identificar conjuntamente programas que acomodem interesses bilaterais e multilaterais e acelerar o lançamento de programas acordados entre as partes e prontos para implementação, como uma forma antecipada de garantir a colheita.

A cooperação do Cinturão e Rota apresenta respeito e confiança mútuos, benefícios mútuos, cooperação ganha-ganha e aprendizado mútuo entre civilizações.

Enquanto todos os países ao longo do Cinturão e Rota fizerem esforços conjuntos para buscar um objetivo comum, haverá boas perspectivas para o Cinturão Econômico da Rota da Seda e a Rota Marítima da Seda do século XXI, e as pessoas dos países ao longo do Cinturao e Rota podem todos se beneficiar dessa Iniciativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.